quinta-feira, 20 de setembro de 2012

Encontro com as origens

O presidente da Bulgária, Boiko Borissov, vai se reunir coma presidente  Dilma - que é filha de imigrante búlgaro -  na reunião anual da ONU, em Nova York.

Dor de cabeça

Segundo o Instituto Nacional de Excelência Clínica e de Saúde, as dores de cabeça que atinge quase 1 milhão de pessoas na Grã-Bretanha  são completamente evitáveis.  Para o Instituto  as dores são causadas pela ingestão de analgésicos em excesso. Ainda de acordo com a instituição britânica, muitas pessoas se encontram em estado de dependência, após cederem a um "ciclo vicioso" de alívio da dor, o que acaba causando ainda mais dores de cabeça.

Visões da História

A Academia Brasileira de Letras  abre seu novo ciclo de conferências, denominado Visões da História, sob coordenação do Acadêmico, professor e historiador José Murilo de Carvalho. A primeira palestra será feita pelo professor, de História Social da Cultura Felipe Charbel, dia 25, e abordará o tema A história em Maquiavel. Entrada franca.

Burrocracia

Faltando quatro anos para Olimpíada, no Rio, R$ 50 milhões destinados à formação de atletas olímpicos e paralímpicos estão parados há 17 meses em razão de desencontros entre o Ministério do Esporte e a Confederação Brasileira de Clubes. A informação é da ONG Contas Abertas, fiscal dos gastos públicos.

Puxando brasa pra sua sardinha

A falta de empenho em Brasília pelo aumento do royalty da minareação, evidentemente  também faz  demorar o marco regulatório do setor. Mas tudo isso tem uma explicação: como maior acionista da Vale, através de BNDES e fundos de pensão de estatais, não interessa à União reduzir ganhos da mineração – e perder dinheiro – para elevar as receitas dos estados e municípios mineradores.

Pra que dinheiro?

Olin Batista, o filho mais novo de Eike e Luma de Oliveira, vai se apresentar no dia 28 na boate Nasala, point dos jovens ricos de BH. DJ profissional e já requisitado em casas noturnas do Rio, o rapaz gravou recentemente um CD e começa a fazer carreira nacional.
O cachê de Olin não foi revelado, mas há quem diga que certamente a quantia não cobre mais que uma migalha dos custos da viagem. O herdeiro bilionário irá em jatinho privado e se deslocará em carro blindado, acompanhado por seis seguranças e uma turma  de amigos.

Trombou, caiu

O veto de Dilma à emenda da mineração, que beneficiaria Minas Gerais com novo cálculo dos royalties minerais, vem no rastro de mudanças na pasta de Minas e Energia, onde o responsável pela área nos últimos anos, Cláudio Scliar, foi substituído pelo adjunto Carlos Nogueira. Scliar vinha batendo de frente com as mineradoras, que já deram apoio ao seu sucessor.

Urânio

O Ministério de Minas e Energia acertou o valor  do investimento necessário para que o Brasil passe a processar urânio em escala industrial. A cifra gira na casa  dos US$ 3 bilhões.

Livre para voar

Pivô do primeiro escândalo do governo Lula, o ex-assessor de José Dirceu na Casa Civil Waldomiro Diniz presta serviços de consultoria para o grupo brasileiro Kapilong, em Angola. De acordo com a BBC, ele esteve no país africano pelo menos três vezes nos últimos anos. Em maio, Diniz foi condenado a 12 anos de prisão por corrupção passiva e crime contra a lei de licitações, mas recorre em liberdade. Como não há decisão judicial que restrinja seus deslocamentos, está autorizado a viajar ao exterior até o desfecho do caso.

Belo gesto

A princesa da Dinamarca, Mary Elizabeth , visitou hoje o Instituto Nacional de Saúde da Mulher, da Criança e do Adolescente,  Fernandes Figueira (IFF/Fiocruz), ela e a atriz Maria Paula foram  conhecer o Centro de Referência Nacional e Ibero-americano para Bancos de Leite


Foto Andre Muzell /AgNews

De olhos abertos para o Rio

Em busca de oportunidades de negócios, os chineses descobriram que o mapa da mina aponta para o Rio. Nesta manhã, no auditório do Clube de Diretores Lojistas do Rio de Janeiro (CDL-Rio), um panorama do que a China tem a oferecer à cidade que abrigará megaeventos, como a Copa de 2014 e a Olimpíada de 2016, foi mostrado por Kevin Tang, diretor da Câmara de Comércio e Indústria Brasil-China. Na ocasião, Tang também fez  uma apresentação sobre a famosa Feira de Cantão, a maior do mundo no gênero, que começa no próximo dia 15 de outubro. Criada em 1957, a feira ostenta números impressionantes: ocupa área de 1,1 mil metros quadrados, com 58 mil estandes onde ficarão em exposição 150 mil produtos de 35 mil fabricantes. A expectativa é receber mais de 200 mil empresários de 40 países, entre eles do Brasil.

Lei do Bem

Modelos especificos de smartphones mais baratos, atração de indústrias do segmento para o Brasil e expansão da inclusão digital. São estes os beneficios apontados pelas fabricantes do ramo instaladas no Polo de Manaus, estimuladas pela sanção da presidente Dilma que converteu MP em lei. A medida aplica a esses produtos os beneficios da "Lei do Bem". Nesta linha, o superintendente da Suframa, Thomaz Nogueira, aplaudiu a decisão, salentando que além de diminuir o custo dos smartphones para o consumidor, não trará impactos que prejudiquem a competitividade do Polo de Manaus.

Entrevista com o grupo Dá o Tom

11 anos de vida, 16 integrantes e o primeiro CD.  Estes números representam o trabalho do grupo vocal Dá o Tom, que lança o CD Dá o Tom, muito elogiado  por Roberto Menescal e Rodrigo Maranhão. Conquistas que ratificam o esforço do grupo que em outubro apresenta temporada no Teatro Leblon, no Rio de Janeiro, nos dias  20, 21, 27 e 28. Em entrevista o arranjador e diretor musical do grupo, Dalton Coelho, conta um pouco do grupo e o CD.





Blog - O Dá o Tom tem 11 anos de estrada. O que mudou no grupo do início até hoje?

Dalton Coelho - Além de alguns integrantes que chegaram e outros que saíram, muitas outras coisas! O grupo evoluiu bastante no aspecto vocal, assim como na qualidade dos arranjos. Mas talvez o ponto da maior relevância foi o crescimento cênico. Quando decidimos contratar profissional das artes cênicas, para nos auxiliar na montagem das "cenas" de cada música, o show ficou muito mais dinâmico e passou a prender muito mais a atenção da plateia. É muito comum ouvirmos depoimento ao fim de espetáculos do tipo "vocês passam uma energia muito boa..." "a movimentação do grupo é cativante" "vocês formam um coro bem diferente em relação aos tradicionais...", essas coisas.



Blog - Como foi a gravação do CD?

Dalton Coelho - Bem trabalhoso, porém bem gratificante. Escolha criteriosa do engenheiro de áudio, estúdios, músicos convidados foram fundamentais para o bom funcionamento do processo. Didier Fernan (o engenheiro escolhido) foi de suma importância. Uma grande diferença e novidade  foi gravar todos os cantores em tracks separados. Ou seja, tínhamos pelo menos 20 canais para mixarmos e editarmos só de vocais, os dos cantores mais os microfones de ambiência - Tudo funcionou perfeitamente neste aspecto e ganhamos bastante no resultado final. Foram mais de 100 horas de estúdio - gravação de todos os vocais, instrumentos, solos, etc.  Fora outras boas horas de mixagem, edições, masterização e farras, claro... 
Da pré-produção à chegada dos cds da fábrica foram uns 10 meses de trabalho.



Blog - Como foi a participação do percussionista/baterista Robertinho Silva?

Dalton Coelho - Robertinho gravou 8 faixas em um único dia. Uma grande correria. Ainda não consigo entender como ainda foi possível ouvir tantas histórias de bastidores da MPB, cada uma mais interessante do que a outra - pena não tê-las gravado como recordação. No aspecto musical, Robertinho dispensa comentários. Sua bagagem musical é enorme, assim como o seu repertório de timbres, levadas e idéias.  Ele recebeu previamente as músicas pré-produzidas o que facilitou bastante o trabalho do dia, pois ele já chegava com ideias de instrumentos (e suas combinações) e seus arranjos.



Blog - Como está sendo a repercussão do novo show e do CD?

Dalton Coelho - O feedback do público é muito favorável. O público se surpreende, pois infelizmente a música vocal tem perdido espaço e quem compra o Cd ou vai ao show não sabe exatamente do que se trata. Muitos, mesmo nos dias atuais, associam a música coral à imagem de um grupo de cantores estáticos, trajando uniformes ou batas, emitindo sonoridade lírica, distante da música popular e não só o Dá o Tom, mas muitos outros grupos já apresentam espetáculos distantes deste vocabulário.



Blog - Como foi a escolha do repertório?

Dalton Coelho - O repertório é reflexo da nossa história. O show tem músicas de todas as fases do grupo e como já cantamos um repertório bem vasto, ficam as que melhor criam um roteiro interessante, além de serem, obviamente, as que acredito possuírem os melhores arranjos e a melhor execução. Uma coisa que eu, como diretor musical tento valorizar bastante são os contrastes - pra mim, uma grande estratégia para prender a atenção do espectador. Posso colocar em sequência uma canção lenta e bem densa e em sequencia um samba dançante – isso não cansa!



Blog - O Dá o Tom é conhecido como um grupo que trabalha o palco de uma forma diferente, com movimentação e interpretação. Esse diferencial foi ideia do grupo? Quem tem as ideias para a movimentação?



Dalton Coelho - Hoje, duas pessoas são fundamentais neste quesito. Joana Lebreiro, uma competentíssima diretora teatral que nos ensina muito sobre  a importância de absorvermos e transmitirmos as emoções contidas nas letras das canções antes de mais nada! Ou seja, não nos movimentamos em troco de nada. São movimentos que se somam a um sentido maior que é o texto. Já Fernanda Milfont auxilia (até mesmo cria) na parte coreográfica propriamente dita. Sua vasta experiência como professora de dança traz muita segurança ao grupo e sua movimentação.





Blog - Teve algum grupo vocal que foi referência para este estilo de coro cênico?

Dalton Coelho - Garganta Profunda, Cobra Coral, Equale, São Vicente a Capella, Dá no Coro entre outros...



Blog - Como é trabalhar com um grupo de 16 pessoas por tanto tempo ?

Dalton Coelho - Excelente oportunidade de crecimento profissional e humano acima de tudo. É um caldeirão de emoções, conflitos, alegrias, tristezas, decepções, gratificações onde prevalece a uniao dos integrantes e a vontade de ver o outro feliz e em harmonia com o grupo!



Blog - O grupo pensa em um segundo CD?

Dalton Coelho - Claro, ou quem sabe... DVD?



Blog - Qual o conselho que o Dá o Tom pode dar para aqueles que querem iniciar um grupo vocal?

Dalton Coelho - Sempre que possível, buscar ajuda de profissionais da área: regentes, professores de canto, arranjadores, profissionais das artes cênicas... E sempre buscar referências - assistir espetáculos, ouvir cds, dvds, ler sobre o assunto. Há uma infinidade de vídeos no youtube dos mais diversos grupos do mundo inteiro - um mundo de ideias na sua frente!



Blog - Qual é a música que mais toca o público durante o espetáculo?

Dalton Coelho - Destacam-se, Bicho de Sete Cabeças, provavelmente pela força poética do texto, pela construção do arranjo e por ser a Capella.  Nela mostramos a importância da harmonia vocal no desenvolvimento do espetáculo. A Casa, outra música a capella, tem como ponto forte  a interação com a platéia - como é gostoso ouvir a soma das vozes Dá o Tom + Público! Das mais animadas, talvez Feijoada Completa, um samba clássico de Chico Buarque e Baioque, outra do Chico.

Nasce o filho de Dani Souza e Dentinho

 
Dentinho e Dani se casaram recentemente
Bruno Lucas é o primeiro filho de Daniele Souza, a eterna Mulher Samambaia, com o ex-jogador do Corinthians Dentinho. O bebê nasceu no Hospital São Luiz, em São Paulo. Dentinho veio da Ucrânia, país em que joga atualmente, exclusivamente para acompanhar o parto. De passagem pela Alemana, antes de desembarcar no Brasil, o corintiano declarou nas redes sociais que comprou um presente para o recém-nascido, além de afirmar que o herdeiro é "lindo como o pai". Mãe e filho passam bem e devem receber alta provavelmente até o final de semana.
Por Rogério Tadeu/SP

Boa Leitura

Editora LeYa lança  “Fidel - O tirano mais amado do mundo”, do cubano-americano Humberto Fontova.  A obra mira as mentiras da propaganda cubana e revela as atrocidades do ditador no poder da ilha há cinco décadas.



Alianças

Terminou as 5h da manhã com um grande baile de Carnaval baiano, a festa de casamento de Solange Almeida e Wagner Miau. A cantora Alinne Rosa pegou o bouquet  jogado pela  noiva na  festa realizada na área nobre da Igreja da Pupileira, em Salvador. Vários artistas  participaram da festa, entre eles  Ivete Sangalo,   na foto entre os noivos. Fotos Fred Pontes

Da laje para a Playboy

A morena da laje Karine Camargo participou  nesta quarta-feira, 19, do lançamento da revista Playboy da qual é capa. A festa, na boate Capitone,  na Barra da Tijuca reuniu nomes como o ex-BBB Fael, Carla Prata - rainha de bateria da Grande Rio - e Grace
Kelly, a  mulher maçã. Foto Rogério Fidalgo