sexta-feira, 23 de janeiro de 2015

Salão Bike Show

Acontece no Riocentro, entre os dias 29 e 1° de fevereiro, a quinta edição do Salão Bike Show. Estarão reunidas mais de 150 marcas e 120 expositores do setor motociclístico. Preço: R$30. Horários: 5ª e 6ª de 14h às 22h; sábado, de 12h às 23h e domingo, de 12h às 20h.  Estacionamento gratuito para motos e triciclos, mas para que for de carro... R$ 22.

Fuzzcas faz parada na zona norte


Depois de encerrar o ano passado com uma apresentação no Circo Voador, Fuzzcas abre os trabalhos em 2015 com um show no não menos emblemático palco carioca do Imperator, no Méier. Na  quinta-feira, 29, o grupo divide a noite com outra banda carioca de rock, Facção Caipira, dentro do projeto Imperator Novo Rock, que vem se notabilizando por oferecer uma mega estrutura de som e luz a bandas com expressão na atual cena musical da cidade.
Para a ocasião, o Fuzzcas prepara um show todo novo. Além do repertório de seu CD de estreia, 'Feliz Dia de Hoje', o repertório vai mostrar ao vivo pela primeira vez material inédito, antecipando o que virá em seu próximo lançamento, previsto para este ano.

ABI diz não a intolerância religiosa

Jesus Chediak com os religiosos convidados
Associação Brasileira de Imprensa realizou um encontro nesta quinta-feira, 22, pelo Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. O evento ciceroneado pelo bàbáláwò Ivanir dos Santos recebeu alguns dos lideres das mais diversas religiões, como o Diacono Nelson Águia, representante da Arquidiocese do Rio de Janeiro, o nigeriano e pastor evangélico da Igreja Voz de Deus, Ayodeli Balogun, a pastora luterana do Conselho Nacional de Igrejas Cristas do Rio de Janeiro, Lusmarina Campos Garcia, o Sheik Mohamad Al Bukai, muçulmano sunita, o Sheikh Rodrigo Jalloul, muçulmano xiita, o ex-comandante da PM, Coronel Ubiratan, representante da Maçonaria, entre outros. Os palestrantes discursaram sobre o respeito às diferenças e em defesa da liberdade de expressão para um auditório lotado.

Ao final da cerimonia foi apresentada uma carta aberta que pedia a criação de um Plano Nacional de Combate à Intolerância Religiosa. “A liberdade religiosa é um patrimônio social que precisa ser devidamente resguardado para que extremistas não cometam crimes em nome de Deus”, foi lido durante os últimos momentos da noite.

O ato lembrou também que o Dia Nacional de Combate à Intolerância Religiosa foi instituído por causa da morte da fundadora do terreiro de Candomblé Ilê Axé Abassá de Ogum, Gildásia dos Santos e Santos, em Salvador. A mãe de santo teve um infarto, em 21 de janeiro de 2000. Foto Daivson Santos