quinta-feira, 1 de dezembro de 2016

Noite de viola caipira lota Teatro no Rio

Entre um causo e outro, o público que lotou o Teatro Bradesco na noite desta quarta-feira, 30 de novembro, cantou e se emocionou com a apresentação de Almir Sater. Com sua viola de dez cordas, mais conhecida como viola caipira,  o musico apresentou  clássicos de sua carreira como “Tocando em Frente”, “Chalana”, “Moreninha Linda”, além das composições recentes.
Almir Sater nasceu em Campo Grande (MS) em 14 de novembro de 1956. Seu contato com a cidade grande veio muitos anos depois, quando foi estudar Direito na Faculdade Cândido Mendes, no Rio de Janeiro. Em menos de três anos, Almir descobriu que não seria um advogado. Na solidão da cidade grande, descobriu na viola sua grande amiga e companheira, dedicando-se completamente ao instrumento.
Um dia ao passar pelo Largo do Machado, reduto nordestino no Rio de Janeiro, Almir ouviu duplas regionalistas que se apresentavam no local, percebeu o que realmente importava na sua vida e voltou para Campo Grande. O contato com a gente da terra favoreceu a pesquisa de novos ritmos, novos sons da viola.
Almir se tornou um dos responsáveis pelo resgate da viola de 10 cordas, mais conhecida como viola caipira, base de criação da música caipira. Suas composições refletem o popular e o erudito de maneira ímpar, como jamais se ouviu na MPB.
Ainda que tenha alcançado a excelência técnica, Almir não deixa a emoção de lado. Por isso, o público, ao sair do show, tem a impressão de ter estado na sala de visitas do cantor, completamente à vontade. Almir Sater não despreza a técnica que se obtém com a eletrônica moderna e os efeitos dos sons de laboratório. Mas quando sobe ao palco, não existem montagens. Almir pega na viola e o som flui suave e naturalmente.
Fotos Robson Barreto/Fotos e Festas 

Hoje é dia de Rock

O Imperator recebe nesta quinta-feira, 1° de dezembro a última  edição do ano, do Rio Novo Rock. Sobem ao palco da casa de shows, dois grupos com propostas diferentes, mas com muita história pra contar. Os potiguares do Plutão já foi planeta investem no Indie Pop/Rock. Seu primeiro álbum "Daqui Pra Lá" foi lançado em outubro de 2014. Foi consagrada Revelação Musical do RN pelo Prêmio Hangar de Música também em 2014 e marcou presença em palcos de Natal, além de estar inserida na cena nordestina com shows em diversos estados. Da periferia do Rio de Janeiro, de São João de Meriti, vem a Lisbela, banda que canta a poesia e o amor cotidianos, usando MPB, tropicália, o rock e a bossa nova para conseguir produzir música com muito sentimento.
No intervalo dos shows o nível continua alto, com nada menos que o jornalista e histórico incentivador da cena rock carioca Tom Leão atuando como DJ. Já as projeções em vídeo ficam a cargo do VJ Miguel Bandeira.

Dia Nacional do Samba

Em comemoração ao dia 2 de dezembro, Dia Nacional do Samba e  por ser  cada vez mais distantes essas memórias, vai acontecer esse ano um grande fenômeno! Os Senhores da Memória resolveram que a partir do centenário do samba, sairão materializados pelas ruas do bairro de Oswaldo Cruz, em bonecos de quase quatro metros de altura , representando as memórias musicais,  pelo bairro com bloco de partideiros, e no horário em que o trem de Paulo da Portela sai às, 18h05, ou seja, 24 horas antes da saída do trem do samba.