terça-feira, 26 de setembro de 2017

Zeca Pagodinho leva a família na estreia de musical que conta sua história

Zeca Pagodinho levou a mãe, a mulher Mônica e todos os filhos para assistir a estreia do musical  "Zeca Pagodinho – Uma História de Amor", que  reuniu também, no Theatro Net Rio,  diversos amigos  famosos do cantor. 
Zeca e Juliana Knust
João Bosco com a mulher  Ângela Mucci e a filha Julia


Paulinho da Viola com a mulher Lila Farias

Laura Finocchiaro grava seu primeiro registro ao vivo em 35 anos de carreira

No início dos anos 80, com o país  em gradual abertura política e o pop em ascensão, uma mulher fazia canções em que misturava sonoridades até então inusitadas – e que ganhariam  as pistas. A ponto de levá-la a ser apontada como um dos pontos altos do Rock in Rio II e a cantar para um público de 500 mil pessoas na Parada LGBT de São Paulo, em 2001. E chamou a atenção da imprensa antenada e de nomes como Tom ZéCazuza e Caio Fernando Abreu, dos quais veio a ser parceira musical. E foi cantada por Ney Matogrosso (“Tudo é amor”, com Cazuza), Elza Soares (“Hino à diversidade, com Glauco Mattoso, na supracitada Parada LGBT), Vange Leonel (“Linha esticada”, com Cilmara Bedaque) e Edson Cordeiro (“Amor de Rua”, com Leca Machado). E quem é essa mulher? É a gaúcha Laura Finocchiaro, que, em fevereiro deste ano, deu início às celebrações por seus 35 anos de carreira com uma série de shows no Rio, de onde andou afastada. E Laura tem se aproximado também de artistas de diferentes gerações para fazer o que ama: compor. E essa lavra de canções inspirou o show “On-Off”, que será gravado ao vivo, dia 30, no Centro Musical Carioca Artur da Távola, na Tijuca. No ela apresenta canções inéditas entre elas uma parceria sua com o jornalista e poeta Christovam Chevalier.   show terá as participações da cantora Patrícia Mellodi e do baixista Markus Britto.  

Johnny Hooker é o convidado de hoje do “MPB com tudo dentro”

Hoje à noite, no programa de web “MPB com tudo dentro” de Rodrigo Faour, Johnny Hooker explica seu processo criativo. Conta que suas músicas têm sempre um arranjo caprichado de metais por influência do frevo pernambucano, motivado por sua vivência em muitos carnavais nas ruas de Recife. E revela que num deles, com apenas três anos de idade, cruzou com Chico Science
“Eu vi o Mangue Beat pequenininho. Meus pais eram amigos daquela turma toda. Eu me lembro de encontrar nos carnavais com o Chico. Teve um que a gente trocou de fantasia. Porque eu estava emburrado, não estava gostando da minha, e ele estava vestido de Chapolin Colorado. Então ele me deu a camisa dele e ficou assim imensa em mim, mas eu fiquei todo feliz”.

Hooker conta ainda que, antes da música, sua primeira grande paixão foi o cinema. “Era uma criança muito velha. Gostava de falar de(Serguei) Eisenstein, Griffith, sobre câmeras e lentes de cinema, Hollywood antiga. Tinha paixões como Elizabeth Taylor, que era minha musa mor. Tanto que o gatinho do olho do meu personagem vem dela, em Cleópatra. Sabia quantas trocas de figurino ela tinha no filme, seu cachê, tudo sobre os casamentos, a vida conturbada dela e o starsystem de Hollywood. Isso me alimentava. E aí encontrar todas essas figuras do meu imaginário na letra de “Vogue” da Madonna foi incrível. E eu era uma criança”. O programa vai ao ar terça-feira no site youtube.com/rodrigofaouroficial


Augusto Martins e Paulo Malaguti Pauleira lançam nesta quinta “Piano, Voz e Jobim”

A Sala Cecília Meireles recebe quinta-feira, 28, o lançamento de “Piano, Voz e Jobim”, de Augusto Martins e Paulo Malaguti Pauleira. Um dos locais mais belos e sublimes do Rio de Janeiro, frequentado por grandes nomes da música popular e, principalmente, erudita abre as portas para este trabalho que se debruça na obra de Tom Jobim. Um verdadeiro tributo ao maestro brasileiro que, em 2017, estaria completando 90 anos. 
O show terá ainda a participação especial de Ivan Lins