terça-feira, 31 de outubro de 2017

Sertanejo in Bangu traz Marília Mendonça

Pela primeira vez Marília Mendonça se apresentará na quadra da Mocidade Independente Independe de Padre Miguel, como parte do projeto Sertanejo in Bangu, na sexta-feira,  3. A abertura do show ficará a cargo da dupla Fabricio & Fabian.

Marília é sucesso no Brasil inteiro, canções como ‘Eu sei de cor’, ‘Infiel’ e ‘De quem é a culpa?’ estão na boca do povo. Um sucesso impressionante para quem fez sua primeira apresentação profissional em agosto de 2015, na pequena Itaituba (PA). Por sinal, ela começou ainda mais cedo, com 15 anos já escrevia suas primeiras letras, tinha contrato assinado como compositora e era arrimo de família. No mesmo ano, Marília gravou um DVD na sala de estar de um estúdio, com pouco menos de 30 pessoas presentes, incluindo a equipe de produção, estava ali sendo lançada a sorte de Marília Mendonça, claro que a expectativa era grande, até porque o talento sempre foi muito latente, mas quem poderia imaginar a artista que o Brasil ganharia naquela noite?

E já que o show será no Rio de Janeiro a dupla sertaneja carioca composta pelos irmãos Fabricio & Fabian abrirá a noite. Na bagagem, muitos shows por esse mundão à fora, em palcos pelo Brasil e no exterior como Chile e Estados Unidos. Os multi-instrumentistas, que arrasam no trompete, trombone e violão, apostam cada vez mais no sertanejo poético, que aliás, é uma característica marcante da dupla.

Stomdup em única apresentação no Rio

Tom Cavalcante apresenta amanhã, às 21h,  no Teatro Bradesco Rio o espetáculo Stomdup. O espetáculo adiciona ao humor e talento únicos do artista uma inédita produção em apresentações desse gênero. No palco, Tom canta suas perfeitas imitações de grandes nomes da música, entre outras surpresas. Cada apresentação tem seus diferenciais únicos, pois Tom trabalha suas crônicas e piadas em cima das atualidades do Brasil e do mundo, com uma boa dose de improviso, que ele domina tão bem.

David Feldman grava os primeiros CD ao vivo e DVD de sua carreira

David Feldman grava os primeiros CD ao vivo e DVD de sua carreira, dia 1º de novembro, no Blue Note Rio, em show com o repertório do seu terceiro CD

“Muito bom colocar um CD pra tocar e, de cara, começar a levantar ‘um voo’ musical, dada a qualidade do que se está ouvindo” (Ivan Lins)

‘Horizonte’ é um dos melhores CDs de música instrumental brasileira que surge nesses últimos 10 anos” (Rosa Passos)

Ele vem de uma família ligada à música clássica. Em seus CDs anteriores, “O som do Beco das Garrafas” (2009) e “piano” (2014), flertou com a bossa e com o jazz, consolidando-se entre os novos talentos instrumentais do país. Em 2016, David Feldman olhou para novos horizontes. Em seu terceiro CD, “Horizonte” (cujo título não foi dado por acaso), o pianista apresentou composições próprias (sete das dez faixas), ligadas à linha melódica da canção (“Adoro canção e música popular”, explica) e, ao lado de André Vasconcellos (baixo) e Marcio Bahia (bateria), matou a saudade de tocar em trio. O disco, que traz ainda as participações do maestro Toninho Horta (violão) e do trombonista Raul de Souza – referências na formação de David.­—teve boa acolhida da crítica, da imprensa e da classe artística. Pois esse trio volta a se encontrar de novo, desta vez no palco do Blue Note Rio. Ali, no dia 1º de novembro, retomam o repertório de “Horizonte” para a gravação do CD ao vivo e do DVD – os primeiros na carreira de David e também o primeiro registro na recém-inaugurada casa de shows.